Famílias disfuncionais

th

O conceito de família disfuncional baseia-se numa abordagem psicoterapêutica de diagnóstico e tratamento, onde os sintomas do indivíduo são vistos no contexto das relações com os outros indivíduos e grupos, e não como problemas individuais. Não há nenhuma definição estrita de “família disfuncional”, e especialmente no uso popular, o termo tende a ser um aplicado de forma muito genérica e inclui diferentes distúrbios relacionais que ocorrem dentro do sistema familiar e nos seus subsistemas (pais, filhos).

O conceito de família disfuncional é, habitualmente, atribuído a famílias  onde as relações entre os seus membros não são equilibradas e estáveis e onde os padrões de comunicação alterados conduzem a problemas crónicos no seio da família.

Algumas das características dos sistemas familiares disfuncionais:

• Incapacidade de assumir a responsabilidade pelas acções e comportamentos pessoais;  desvalorização dos sentimentos dos outros membros da família.

•Limites entre membros da família demasiado rígidos ou praticamente inexistentes. Por exemplo, um pai que depende excessivamente da criança e procura nela apoio emocional ou que não promove o desenvolvimento da autonomia nos filhos, chamando a si a resolução de todos os problemas e não permitindo que os filhos tomem decisões.

•Limites rígidos ou demasiado frágeis entre a família (considerada como um todo) e o mundo exterior.

• Tendência para os membros da família utilizarem, de forma inconsciente, um conjunto de termos , como por exemplo protetor, herói , bode expiatório, santo, que tem como resultado limitar ou reduzir a expressão dos sentimentos, a experiência e auto-afirmação das características pessoais.

•Tendência para designar um dos elementos da família como tendo problemas do foro psicológico, que pode ou não estar em tratamento, mas cujos sintomas são um sinal do conflito familiar interno. Muitas vezes o elemento identificado como “perturbado” tem a função de disfarçar e anular os verdadeiros problemas Excessiva discussão

•Padrões comunicacionais de grande conflitualidade. Algumas famílias afirmam sempre que há uma diferença de opinião ou crenças. No entanto, os argumentos emocionais raramente resolvem estas diferenças ou influenciam alguém a mudar as suas crenças. Uma pessoa que se sente fortemente atacada nas suas crenças, tenderá a defendê-las com igual veemência, aumentando as emoções negativas em ambas as partes. Em famílias saudáveis há uma maior tolerância relativamente a pontos de vista diferentes.

•Percepção alterada da realidade. Tendência a “alterar os dados objectivos da realidade”. Diferentes elementos de uma mesma família podem ter versões diversas à cerca dos mesmos eventos ou factos. Em famílias disfuncionais a tendência é para alterar os dados factuais e objectivos da realidade. Quando, por exemplo, uma criança descreve os acontecimentos reais de um dia de Natal como infelizes, o pai ou a mãe podem considerar, ao contrário da criança, que foi um Natal bem passado onde todos estavam felizes.

Estas contradições entre pais e filhos podem levar as crianças a duvidar das suas próprias experiências.

Apesar da existência de enormes disfuncionalidades, autores que trabalham e investigam nesta área, afirmam que todas as famílias têm competências, e destacam a necessidade dos terapeutas fazerem uma abordagem positiva que lhes permita, em conjunto com as famílias, explorar o seu sistema de valores e os seus recursos pessoais. Neste sentido, é importante procurar o que é possível na família e não o que é impossível,

 

Anúncios

Deixar um comentário.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s